Metamorfoses

Nova criação de Pedro Ramos

A Ordem do O apresenta, “Metamorfoses” nova criação de Pedro Ramos que cruza o teatro, a dança e as artes visuais a partir da peça homónima de Ovídio, com adaptação de Miguel Castro Caldas. Em Outubro, nos dias 27, 28, e 31 às 15h, e nos dias 29, 30 às 19h, na emblemática Floresta de Monsanto, pulmão da cidade, junto ao CIM – Centro de Interpretação de Monsanto. 

A peça terá ainda circulação em Idanha-a-Nova, no Estudio Teatro Ajidanha às 21h no dia 5 de Novembro e em Torres Vedras, no Cine-teatro de Torres Vedras dia 13 de Novembro às 21h.

Sinopse

Com base na peça “Metamorfoses” de Ovídio e recorrendo a elementos dramatúrgicos de outros autores, criou-se um espectáculo que cruza o teatro, a dança e as artes visuais. Interpretado por uma equipa interdisciplinar constituído por atores, bailarinos e artistas circenses, a peça parte conceptualmente de mitos e histórias ancestrais que experimentam a ideia de transformação, o hibridismo de homem-animal, homem-mulher, homem-vegetal, a força poética e simbólica das figuras arquetípicas, bem como da ligação anímica do corpo com os elementos. Será ainda explorada a ideia de um coro que através do som, movimento e ainda a palavra, expresse de forma pura a fala da matéria. Dessa nuvem anímica, ou constelação de seres, surgirão figuras-personagens que emergem na sua singularidade, para evocar pelos seus corpos manifestações arquetípicas específicas, a partir das quais uma série de micro histórias ganharão vida, dissolvendo-se de novo nessa massa viva de gente e ciclos de morte e renascimento. 

Dando continuidade à investigação iniciada em Alento, na relação entre a Ecologia Profunda, o estudo da Alquimia práticas orientais e as Artes performativas, habitando a floresta enquanto lugar de laboratório e apresentação, procura-se em Metamorfoses uma dramaturgia ligada à vivência sagrada da natureza e relação visceral com os elementos, recorrendo ao imaginário da poética e tragédia do início da tradição teatral ocidental. Pretende-se que a peça seja concebida por episódios ou acontecimentos  que se interligam dramaturgicamente numa macro-narrativa. 

A peça de natureza imersiva implicará um pequeno percurso do público pela floresta até ao local onde será apresentada.


Inscrições

Reservas para Idanha-a-Nova e Torres Vedras iremos publicar em breve – IDANHA-A-NOVA, Sexta, 5 de Novembro às 21h / Estúdio Teatro Ajidanha. TORRES VEDRAS / Sábado, 13 de Novembro às 21h / Cine-Teatro, Torres Vedras

ATENÇÃO: A Ordem do O lamenta informar que, devido ao estado climatérico atual, vê-se obrigada a cancelar as suas apresentações dos dias 29 de outubro às 19h, 30 de outubro às 19h e 31 de outubro às 15h. Em alternativa serão repostas duas sessões, às quais o convidamos a assiStir: 30 de outubro às 15h (uma vez que a previsão não apresenta chuva para a tarde), e 7 de novembro às 15h, respectivamente.

Estas reposições serão feitas no mesmo local, no Centro de Interpretação de Monsanto. 

Lamentamos o incómodo que estas alterações possam causar, mas tendo em conta que o espetáculo é ao ar livre, não existe outra alternativa senão alterar as datas para estes dias e horas em que as previsões climatéricas são mais favoráveis. 

Preço dos Bilhetes:

12€ – Público em geral / 8€ – Crianças até aos 16 anos de idade / 5€ – Profissionais de espectáculo / 3€ – Grupos escolares, preço por pessoa

Ficha artística

Direcção artística e criação: Pedro Ramos / Texto: a partir de Ovídio versão de Miguel Castro Caldas / Assistência artística: Sandra Rosado / Interpretação: Antonio Bolloño, Celso Jumpe, Diogo Dória, Mara Morgado, Marta Felix, Ricardo Ambrosio, Victória Benfica, Vitor Alves Silva / Composição musical: Duarte Moreira / Desenho de luz: Gonçalo Lobato / Figurinos: Vitor Alves Silva / Construção dos objectos cénicos: Silveira Cabral / Comunicação e Design: Nádia Carmo / Gestão e Produção: Bruno Esteves / Produção executiva: Matilde Anjos / Acompanhamento e registo documental: David Cachopo e Luís Margalhau 

Produção: Ordem do O / Apoios: Câmara Municipal de Lisboa, Performact, Trilhos Verdes / Parceiro Institucional: República Portuguesa – Ministério da Cultura